Tecnologia/Curiosidades
Tendência

Câncer descoberto pela 1ª vez em fóssil de dinossauro

Um osteossarcoma, tipo de câncer ósseo agressivo, foi diagnosticado pela primeira vez num dinossauro. A descoberta foi realizada em colaboração liderada pelo Museu Real de Ontário (ROM) e pela Universidade McMaster e publicada num artigo na revista “The Lancet Oncology” nesta segunda-feira.

Nenhum câncer (tipo de tumor que pode se espalhar pelo corpo e ter complicações graves) havia sido documentado em dinossauros anteriormente. O estabelecimento de vínculos entre doenças humanas e doenças do passado pode ajudar os cientistas a entender melhor a evolução e a genética de várias enfermidades.

O câncer foi descoberto na fíbula (osso da perna) de um Centrosaurus apertus, um dinossauro com chifres que viveu de 76 a 77 milhões de anos atrás. O fóssil havia sido descoberto em Alberta, no Canadá, em 1989. Na época, pesquisadores acreditavam que sua má-formação era fruto da recuperação de uma fratura.

Um grupo de cientistas do Museu Real de Ontario e da Universidade McMaster perrcebeu as propriedades incomuns durante uma visita ao Museu Real Tyrrell em 2017 e decidiram investigar o caso utilizando técnicas modernas. Uma equipa de especialistas multidisciplinares e profissionais médicos de áreas como patologia, radiologia, cirurgia ortopédica e paleopatologia foi formado para avaliar o osso da mesma forma que seria para o diagnóstico de um tumor desconhecido em um paciente humano.

“Mostramos a inconfundível assinatura do câncer ósseo em estágio avançado em um dinossauro com chifres de 76 milhões de anos — o primeiro de seu tipo. É muito emocionante”.

Para chegar ao diagnóstico de osteossarcoma, os cientistas utilizaram um processo rigoroso. Primeiro, eles tiveram que examinar, documentar e moldar o osso para realizar tomografias computadorizadas de alta resolução. Depois, o fóssil foi seccionado e examinado em um microscópio para avaliação do nível celular-ósseo. Poderosas ferramentas de reconstrução 3D foram utilizadas para visualizar a progressão do câncer através do osso.

Uma fíbula humana com caso confirmado de osteossarcoma e uma fíbula normal de um dinossauro da mesma espécie foram utilizadas para comparação e confirmação do diagnóstico.

Um câncer em estágio avançado como este pode ter invadido vários outros sistemas do corpo do dinossauro, o que o tornaria vulnerável para predadores. No entanto, como o osso foi encontrado em um local com muitos outros ossos, os pesquisadores acreditam que ele morreu em meio a um grande rebanho de Centrosaurus atingido por uma enchente.

C/Globo.com

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar