Opinião
Tendência

Carta de Alex Saab a Jorge Rodriguez, Presidente da AN da Venezuela

Por: Defesa de Alex Saab

Esta segunda-feira, 27 de setembro de 2021, o enviado especial Alex Saab, que foi nomeado membro da mesa de diálogo da Venezuela, enviou a seguinte carta ao presidente da Assembleia Nacional, Jorge Rodriguez.

Caro Jorge, membros da mesa de diálogo, tanto do governo como da oposição, envio-vos uma grande saudação e espero que estejam todos bem.

Ao meu governo e à nossa delegação, não sabem como fiquei emocionado ao saber do gesto que tiveram em relação a mim quando chegaram ao México. Não consigo ver fotografias, mas senti-me cheio de força e orgulho no meu país quando me contaram.

Estou e estarei sempre eternamente grato a toda a delegação e ao nosso governo pela honra que me deram. Essa é a Pátria que eu amo. A Pátria que defende causas justas. A Pátria que procura todos os dias o bem-estar do povo. A Pátria que está a passar por um bloqueio imoral e cruel, mas que continua corajosa. A Pátria que não se rende .

Fui sequestrado por Trump , pelos seus capangas e pela sua política falhada há 473 dias. Torturaram-me fisicamente em Cabo Verde até se cansarem. Continuam a torturar e a provocar-me psicologicamente todos os dias até hoje. Entre tantos outros direitos humanos básicos, foi-me negada assistência médica. Por vezes até me deixam sem água durante dias porque, segundo eles, têm de passar as garrafas transparentes por raios X e a máquina está sempre “danificada”.

Tenho sido ameaçado em morrer numa prisão nos EUA quase todos os dias desde que fui vilmente sequestrado. Ameaçaram a vida da minha família. Fui caluniado, insultado, maltratado e, de acordo com eles, humilhado. Mas a alma de um guerreiro não se humilha. Apenas aquele que se ajoelha vê o seu inimigo como um gigante.

Fui sancionado em 2019, não só eu próprio mas também os meus dois filhos mais velhos quando estavam prestes a formar-se na universidade e sem terem nada que ver com este conflito político. Os meus filhos tiveram de interromper os seus estudos e ir para o exílio quando ainda eram quase crianças.

As suas acusações contra mim são tão ridículas e politicamente motivadas que não foram capazes de encontrar uma única prova contra mim. Até mesmo a Suíça deitou por terra o seu caso de alcance judicial extraterritorial, investigando-me durante 3 anos e NÃO encontrando em 3000 páginas uma única transação, mesmo suspeita de ser ilegal. A mesma coisa aconteceu noutros países que me investigaram, sempre incitados pelos sensacionalistas que o próprio Elliot Abrahams confessou publicamente utilizar.

Mas, a América do Norte, na sua impotência, ameaça-me constantemente até mesmo com acusar os meus filhos sem qualquer razão se eu não ceder às suas pretensões de deixar de servir o meu país e de denegrir falsamente o meu governo. Entre outras coisas, a América do Norte ficou furiosa por a comida e os medicamentos continuarem a chegar, apesar do bloqueio porque, segundo eles, estava a provocar a falha do seu “plano”, a que desrespeitosamente chamam “mudança de regime”. Eles queriam literalmente que o povo se revoltasse por causa da fome.

Pediram-me mesmo descaradamente, através dos meus advogados, para deixar de ajudar o meu país durante 120 dias sem comida e medicamentos em troca de “amnistia”. Para eles, 120 dias de fome seriam suficientes. Pretendiam que fosse um genocida? Eu nunca desisti e SEMPRE o comuniquei aos meus superiores.

Vivi a morte do meu pai e da minha mãe neste sequestro, sozinho, sem me despedir deles, não foi culpa da Covid, mas da sua tirania. Fui separado da minha família, da minha mulher, dos meus 5 filhos, a mais nova com 5 meses de idade. Ainda sinto o último beijo que dei ao meu bebé.

A minha família foi sequestrada durante os mesmos 473 dias que eu, porque o sequestro é ainda pior para a família do que para a pessoa sequestrada. E o que conseguiram eles nestes 473 dias? Nada. Sempre que posso envio mensagens de encorajamento ao corajoso povo Chavista para que rodeiem o nosso Presidente Nicolas Maduro com um manto sagrado de proteção e apoio. O povo Chavista está mais unido do que nunca.

Violaram todos os meus direitos humanos e eu devolvo-lhes a paz, a esperança e a honra.

O que é que o império pensa que pode conseguir ao levar-me para os Estados Unidos? Será que acreditam ingenuamente que ainda me podem quebrar? Já estou morto, senhores norte-americanos, se é a minha vez de morrer pelos meus princípios e pela minha honra.

A sua política de intimidação, repressão, alcance judicial excessivo falhou e falhará sempre com a Venezuela, como o vosso próprio Senador Chris Murphy deixou muito claro.

Sr. Presidente Biden, se acredita realmente no diálogo que está a decorrer no México, porque é que está a pressionar Cabo Verde para me extraditar? Nada vai mudar.

Acredita realmente que eu vou chegar aí e lhe conto “segredos” para derrubar o meu governo? Se é isso que pensa, deixe-me dizer-lhe para acordar porque isso não vai acontecer e, em segundo lugar, está a mostrar que são vocês que querem acabar com o diálogo e continuar à procura de saídas imaginárias. Sou um prisioneiro político. É tão simples quanto isso.

A minha imunidade diplomática foi reconhecida não só pelo meu país, mas também pela China, Rússia, Irão, entre muitos outros países, e os seus juízes não podem ameaçá-los com remover-lhes o visto.

Há 28 anos que não vou aos Estados Unidos. O Presidente Biden declarou que a era de uma nova política externa dos EUA tinha começado. Espero que ele honre as suas palavras e não interfira mais nos nossos países para impor a sua vontade ou para roubar os nossos recursos.

Desejo-vos o maior sucesso na mesa de diálogo. Gostaria de participar e explicar em pormenor todos os danos que as sanções causaram ao nosso país e como distorceram a nossa economia.

Que Deus vos ilumine e que todos os vossos esforços tragam reconciliação ao nosso amado país.

Um forte abraço

Mostrar mais

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo