Opinião

Elenco Governamental: Paradoxo do devedor gordo vs financiador emagrecido

Por Marisa Moura

Não é novidade que as Legislativas’21 culminaram com a vitória do MpD, reconduzindo o então Primeiro-ministro ao cargo. Também é público que desde o anúncio da constituição do actual Governo as criticas relativas à sua dimensão são sucessivas e fundamentadas, ainda que quem de direito faça ouvidos mocos.

Portugal viu o seu Parlamento ser dissolvido no âmbito do chumbo do orçamento de Estado para o ano de 2022, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na sequencia dessa crise politica convocou eleições para 30 de Janeiro, processo eleitoral que chega ao fim com a nomeação de mais um Governo.

O Primeiro-ministro de Portugal, também ele reeleito, prometeu na campanha que reduziria o seu elenco governamental e hoje podemos afirmar que cumpriu, a redução ronda os 20%, totalizando 55 membros (17 ministros e 38 Secretários de Estado).

Portugal, segundo os censos de 2021, tem uma população que não chega a 11 milhões de habitantes, por outro lado Cabo Verde, que também realizou o seu recenseamento geral da população no ano transacto, dados ainda provisórios, tem uma população inferior a 500 mil habitantes.  

É fácil, basta-nos fazer contas: estima-se que a população Portuguesa seja 22 vezes a Cabo-verdiana, contudo num país com menos de meio milhāo de habitantes, temos um Governo que é literalmente metade do recém-anunciado em terras Lusas (55/2=27,5).

Sejamos razoáveis, os números falam por si e fazendo jus à realidade econômica, politica e social do país  querer justificar um elenco governamental tão alargado é justificar o injustificável.  

A conjuntura internacional é causadora de dificuldades que se fazem sentir actualmente, porém a racionalização dos recursos e uma gestão criteriosa da coisa pública possibilitaria a atenuação dos efeitos, sobretudo junto das classes mais desfavorecidas.

Portugal é um dos maiores financiadores do Estado de Cabo Verde, lembrem-se que o pagamento da dívida vem sendo negociado, com o chavão de vir a ser convertida em investimentos e é propalado com pompa e circunstancia que o país apenas pagará juros no corrente ano.

Em síntese, um país ao qual devemos milhões, reduz o seu Governo em 20%, “enxuto”, “task-force”, tem uma população 22 vezes superior à nossa e no auge de uma crise, denominada pelo actual Ministro das Finanças como a maior de sempre da história de Cabo Verde, posso e continua a dar-me ao luxo de insistir num Governo com 27 membros e todos os seus apêndices?

Senhor Primeiro-ministro de Cabo Verde, Dr. Ulisses Correia e Silva, tenha coragem, o povo cabo-verdiano agradece!

Mostrar mais

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo