Economia
Tendência

“Renascença Africana” reforça conhecimentos de 10 mulheres e 5 homens das comunidades piscatórias de São Vicente

A célula nacional da Renascença Africana – Associação das Mulheres da África promove uma formação que envolve 10 mulheres e 5 homens das comunidades piscatórias de São Vicente com o intuito de reforçar as capacidades dos pescadores e de outros trabalhadores ligados ao sector das pescas. Esta iniciativa, que visa principalmente as mulheres com o intuito de empoderá-las, é financiada pela FAO, beneficia São Pedro, Calhau e Salamansa e decorre por cinco dias nas instalações da OMCV.

“Esta formação é mais virada para a parte associativa, de liderança e associativismo e durante estes cinco dias iremos partilhar experiências. Vamos tentar potenciar os conhecimentos já adquiridos e reforçar onde a gestão está um pouco insipiente”, garante o formador Daniel Xavier.

Desde o associativismo em Cabo Verde, passando pelo funcionamento das organizações, cooperativas e empresas, o formador pretende explorar estes pontos com os formandos com o objetivo de encontrar um modelo que potencie o desenvolvimento do setor das pescas. “Quer na parte da captura, da organização da captura, mas sobretudo na organização do comércio. Estamos a falar de cadeias de valores, portanto é todo o sistema que temos que trabalhar , frisa.

Por sua vez Josefina Chantre, “Zezinha”, ex-presidente da OMCV e atual presidente da célula em Cabo Verde de RAMAO, expõe que este trabalho não vem sendo desenvolvido apenas em Cabo Verde. “Estamos aqui para executar um pequeno projeto da FAO que está a ser desenvolvido em três países da costa ocidental africana – Cabo Verde, Senegal e Costa do Marfim – para reforço de capacidades das comunidades piscatórias, das peixeiras, dos pescadores que dão o duro para sustentar a humanidade. Porque nós tiramos do mar o nosso sustento, mas o sector está um bocado esquecido”, lamenta Zezinha Chantre.

A RAMAO pretende desta forma trabalhar também na liderança, no associativismo, na gestão de pequenos negócios e na cadeia de valores, ao longo de seis meses. “O nosso papel é de promover as mulheres nas suas diferentes vertentes, somos uma ONG da sub-região, então a promoção socioeconómica está na ordem do dia, mas temos uma preocupação de integração regional.”

As comunidades migradas também são o foco desta organização, por isso a sua primeira intervenção foi, de acordo com Chantre, aglutinar associações e criar a Plataforma das Associações Africanas residentes em Cabo Verde.

A sua abrangência nacional e além fronteiras faz com que a sua representante nacional a considere numa ONG diferente por fazer parte do espaço CEDEAO, composto por 15 países e com células também na Mauritânia, que não pertence ao grupo.

Sidneia Newton

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo