CulturaH1
Tendência

Martin Rose gravá CD “Inspiração d’nha sina”: “Ess álbum ê dedicod pa Cesária Évora e pa Morna”

O violinista franco-polaco Martin Rose, residente na Alemanha, vai lançar em finais de Julho um álbum de mornas e coladeiras intitulado “Inspiração de nha Sina”. Este álbum aborda alguns dos temas mais bonitos do reportório tradicional cabo-verdiano num ambiente acústico e refinado. Martin Rose disse ao Mindelinsite que, devido a situação do coronavírus, este trabalho de 10 músicas vai sair primeiro nas plataformas digitais e só depois será lançado em CD, quando poder deslocar-se a Cabo Verde, talvez antes dos final do ano, para a sua apresentação. Por esta entrevista ter sido realizada por escrito, dado aos condicionalismo actuais, foi elaborada e respondida na variante do crioulo de São Vicente, que este artista domina mais facilmente do que o português. Deste modo, e para valorizar a nossa língua materna, o MI decidiu publica-la em crioulo.

Por João A. do Rosário

Mindelinsite – Martin Rose, cidadão francês apaixonod pa música de Cabo Verde, um pode  dzé assim. Pa começá, kem é Martin Rose concretamente?

Martin Rose – Exatamente, cidadão francês, e também polaco, tchám acrescentá ess pormenor q’um t’otchá importante porque ess dupla origem q nhas pais tchám dam um grande abertura e curiosidade pa otes cultura. Foi ness contexto q’ess paixão pa Cabo Verde e sê música pud criá e desenvolvê dente de mi. Na vida real, mi é funcionário bancário, um ta vivê na Alemanha. Na vida musical, mi é violinista, um prendê tocá ess instrumente disd piqnim, nhas país pôm na escola de música cónd um tinha 6 óne…

MI – Manera surgi bo relasão ma música de Cab Verde?

MR – Nha paixão pa Cabo Verde nascê na 2001 cónd um ba pa primera vez sistí um concerte de Cesária Évora na Paris. Um fká absolutamente encantód não só pa voz sublime de Cize ma também pa quês melodia bníte e carregod de tcheu sentimente. Daí um começá ta fazê tcheu pesquisa sobre Morna, sê estória, sês letras, compositores, intérpretes. Foi assim q’um descubrí riqueza e variedade de cultura musical de Cabo Verde. Na 2008 um viajá pa Cabo Verde pa primera vez, foi um experiência incrível. A partir delí um torna voltá tcheu vez, sempre c’nha violine, porque um criá amizades ma uns músicos q’incluím na meio musical mindelense e q’dám oportunidade de tocá ma ês na tocatinas e pequenos concertes. Depois, cónd um ba vivê uns óne na Estados Unidos, um conchê más músicos e assim poc-a-poc um bem integrá na música de Cabo Verde.

MI – Bom, bo paixão pa CV e pa se cultura ta levob a gravá um primeiro CD de mornas e coladeiras. Fala nós um bocadim dess disque, dess traboi de bossa?

MR – Ess trabói é concretização de um sonho q’um tem tide já tem tcheu tempo, quase disd início, cónd um tava oiá músicos ta toca na palco djunte ma Cesária e cónd um começá ta toca ma músicos que tem tcheu experiência ness assunte, moda Bau, por exemple. Es é 12 tema, principalmente mornas e coladêra que normalmente ê cantód ma q’um transcrevê li pa “voz” de violino.

MI – Qual foi liha ke bô traçá pa esse disc?

MR – Q’ess álbum um quis relembrá e recriá ess ambiente singular des tocatina onde um participá, alguns vez, na Cabo Verde ou na estrangêr. Também um quis apresentá um panorama (apenas limitód) de tud ess riqueza que música tradicional cabo-verdiana ta oferecê, em particular na aspecto de morna e coladera. 

Nha objetivo q’ess álbum é também continuá ta divulgá música tradicional, ta mantêl vive num época onde el tem tendência a caí na esquecimente. Um tentá criá um ambiente acústico simples, puro, terra-terra, e dá importância a quês instrumentes tradicional tipo violão c’sê bordão ou viola de doze cordas, por exemplo, sem adicioná efeitos o ornamentos desnecessários. 

MI – Por quê Inspiração de nha Sina? Qual foi bo “sina” verdadeiramente?

Fote disponibilizode pa Martin Rose

MR – Ess álbum é dedicód dum certe manera pa Cesaria Évora – porque mi era um grande fã dela, tive até um tempo q’um tava siguíl sempre na sês tournée pa Europa – e também dedicód de um manera geral pa Morna. Es é dôs elemente que cabá pa tê um papel importante na nha vida porque afinal es levam a viajá, conchê um país, conchê pessoas, amigos, prendê língua criol, fazê encontros, intercâmbios, etc. Afinal, música de Cabo Verde inspiram na tcheu aspecto de nha vida, daí ess título, pa dal tud nha reconhecimente.

MI – No ta encontra na bo traboi composições de grandes nomes ness área de música de CV. Por quê estes e não otes?

MR – Efetivamente, nês 12 temas um incluí alguns daquês composições más belas de B. Leza, Eugénio Tavares, Manuel d’Novas, quês compositor q’um ta admirá tcheu, não só por causa de música ma também de letras que tem tcheu poesia. Infelizmente, ess é apenas um seleção, um tava gostá de incluí otes compositor moda por exemple Paulino Vieira, que tive um papel imense na desenvolvimente de música na Cabo Verde. Ta fka pa próximo trabói.

MI – No ta notá um elenco de músicos de peso que acompanhob ness traboi moda Zé Paris, Bau, Tey e Carlos Matos… Algum motive especial dess escolha?

MR – Um tocá ma tcheu músicos cabo-verdiano ness último década, portanto um escolhê quês q’ta bem entrá ness trabói ca foi fácil. Ma, móda um dzê, um quis fazê um albúm c’um resonância muite tradicional e por isso um involvê músicos que tinha ess experiência. Por exemple, maioria dês tocá ma Cesária, quelá pá mi já ta constituí um certa referência, portante foi um grande prazer pdí sês participação ness álbum. 

MI – Bo ta assiná como Martchin por algum motivo foi. Bo tava pode explica nós?

Fote disponibilizode pa Martin Rose

MR – Um resolvê usá ess nome de Martchín invez de nha nome verdadeiro (Martin) porque um quis dzê q’ess álbum ca é só um traboi de mim como solista, ao contrário el é más um colaboração ondê tud músico tem igual importância. Portanto, Martchín é más nome dess projete singular, q’um t’otcha bastante original – um encontro na cruzamente de várias culturas, cultura clássica e cultura tradicional criol. Uma tentativa de mistura, de fusão é qu’tá exprimi carácter universal de música que cá tem fronteiras.  Martchín é transcrição fonética na criol de nha nome em polaco (Marcin), o que ta simbolizá ess universalidade li.

MI – Bom moda no ta oiá bo tá convivé que musica e músicos de CV há longos anos. Qual é diferença que bo ta otxa de estad de desenvolviment de musica na CV atualmente?

MR – Um ta repará tcheu vez que ta existí um energia criativa forte na Cabo Verde, tem tcheu artista jovem que ta escrevê, tocá, cantá. Grinhacim ke desenvolvimente de internet, ess força fica más visível ainda. Portanto, é claro que seria bom tê más escola de música pa pessoas podê prendê tocá um instrumente ou alê pauta. Por exemplo, na caso de violino, um t’otchá que tem poco possibilidade p’alguém podê prende ess instrumente na Cabo Verde, simplesmente porque el é raro n otchá, construtor também ca tem tcheu é que tem experiência q’el, sem falá de disponibilidade de peças moda cordas etc. Um t’otchá q devia têm más iniciativa pá apoia aprendizagem de música.

MI – Qual foi bo sensação aquando da classificação de Morna como Património Imaterial da UNESCO?

MR – Um fká ansioso moda tcheu gente na Cabo Verde, ta guardá decisão de Unesco sobre Morna. Ê claro qu’m fka muite contente q’aprovação dess candidatura óne passód porque Cabo Verde ta merecê ess reconhecimente a nível mudial pa homenagiá riqueza de sê cultura musical. Um ta sperá qu’ess esforce que Cabo Verde fazê pa ganha ess reconhecimente internacional tita bem ijdá pa conservá e transmití ess património pa geração futur. Também pa criá um quadre dondê música tradicional podê continuá ta desenvolvê.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo