Opinião

Resultados da SIMABÔ: Os últimos 5 anos, o atual contexto de pandemia e perspetivas para 2021

Por: Rita Neves

Quando surgiu em 2008, a SIMABÔ tinha uma missão bem definida: controlar a população canina e felina da ilha de São Vicente, socorrer cães e gatos, de rua e domésticos, e consciencializar a população para os direitos dos animais.

Quem acompanha de perto a SIMABÔ reconhece a forma como fundadores, funcionários e voluntários se dedicam a este projeto que propuseram defender. E, apesar do caminho longo e difícil, os resultados positivos são visíveis e quantificáveis. Convido-vos, então, a fazer uma breve análise do que foram os últimos 5 anos da SIMABÔ.

Entre 2016 e 2020, a SIMABÔ realizou 7.477 castrações, quer no seu Centro de Castração, quer em campanhas de castração numa clínica móvel instalada em diferentes locais de São Vicente.

Importa ressalvar que todas estas castrações foram feitas gratuitamente e que muitas delas resultaram de um trabalho árduo de conhecimento das dinâmicas das populações caninas do Mindelo, isto é, de uma contínua identificação dos novos animais de rua não-castrados, trabalho esse feito quer internamente, quer através do contacto permanente com uma rede de responsáveis comunitários informais.

Como resultado de uma evolução tendencialmente crescente do número de castrações realizadas, a SIMABÔ alcançou, em 2019, as 2.250 castrações, número anual máximo desde a sua criação. Números próximos haviam sido apenas alcançados entre 2013 e 2015, altura em que vigorava um projeto financiado pela União Europeia no âmbito do programa para Actores não Estatais e Autoridades Locais no Desenvolvimento. Contudo, e contrariamente ao verificado entre 2013 e 2015, os números alcançados em 2019 foram resultado de anos de trabalho para a construção de uma SIMABÔ sustentável, independente de grandes projetos financiados por terceiros.

Da análise do gráfico acima é possível verificar que os resultados de 2019 estão relacionados com o aumento significativo do número de animais castrados em campanhas realizadas na tenda móvel da SIMABO. O gráfico abaixo explica estes dados, uma vez que revela que em 2019 foi realizado praticamente o dobro das campanhas, tendo sido intervencionados lugares como: Ribeirinha, Espia, Bela Vista, Monte Sossego, Ribeira de Craquinha, Ribeira de Julião, Lameirão, Madeiral, Salamansa, Calhau, Lazareto, Ribeirinha e Fonte inês.

Infelizmente, esta tendência de crescimento inverteu-se em 2020, resultado das dificuldades decorrentes da pandemia mundial vivida. Foram realizadas 1.374 castrações, das quais apenas 60 correspondem a castrações realizadas na única campanha feita durante o ano, em Salamansa.

Mas, de que forma a crise pandémica prejudicou os resultados da SIMABÔ? Pois bem, as limitações sentidas são principalmente de natureza financeira e ao nível dos recursos humanos. No que diz respeito à primeira, importa esclarecer que a principal fonte de financiamento da SIMABÔ era, até então, o seu Hostel solidário, sendo portanto facilmente dedutível as graves consequências sentidas durante 2020. Quanto às dificuldades humanas, a interrupção da circulação internacional de pessoas limitou a receção de veterinários voluntários, fundamentais à realização de campanhas de castração pela ilha.

A SIMABÔ entra, portanto, em 2021 com a necessidade de se reinventar, uma vez que pretende continuar a oferecer à população os mesmos serviços, nomeadamente as castrações gratuitas.

O que pode ser feito, então, para conciliar a sua trajetória de crescimento com o período atípico que vivemos? Em primeiro lugar, importa referir o papel da Cooperação Internacional. Durante os últimos anos, a rede de contactos internacionais da SIMABÔ tem-se alicerçado, contando-se agora, e mais do que nunca, recorrer ao apoio – financeiro e humano – desses parceiros internacionais. Em segundo lugar, é importante reconhecer a importância dos responsáveis comunitários: em 2021 pretende-se encontrar responsáveis comunitários em diferentes zonas da ilha, de forma a criar uma rede de cooperação local que dê continuidade ao trabalho desenvolvido com animais de rua. Por fim, há que apostar na comunicação, em particular nas redes sociais. Pretende-se aumentar o alcance junto da população de São Vicente de forma a incentivar, perante a impossibilidade de realização de campanhas de castração nas zonas, à castração dos animais na Clínica da SIMABÔ. As redes sociais constituem também uma ferramenta importantíssima para a promoção de outro pilar SIMABÔ: a promoção da adoção de animais resgatados na rua.

A SIMABÔ reconhece as dificuldades decorrentes do contexto atual vivido, mas recusa baixar os braços à sua missão e, por isso, definiu os seguintes objetivos para 2021: (1) dar continuidade à castração gratuita, voltando a alcançar as 2.000 castrações; (2) continuar a sensibilizar a população local para os direitos dos animais e sua proteção, envolvendo-a em atividades e retomando a realização de palestras; (3) aumentar o número de adoções de animais recolhidos na rua, de forma a potenciar a rotatividade dos cães abrigados no canil da SIMABÔ.

A SIMABÔ agradece a todos os sócios que, apesar de todas as dificuldades sentidas em 2020, continuaram a trazer os seus animais à Clínica e a envolverem-se  no projeto. Um muito obrigada por tornarem o nosso trabalho possível!

Coordenadora Geral desde 2019

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo