Opinião

A cidade de Tomar no adeus a Totói

Por: Adriano Lima

Quando, há 5 anos, publiquei neste jornal um texto de cunho biográfico sobre o Totói, antigo craque do Mindelense e velha glória do União de Tomar, não podia imaginar quão pouco indulgente seria o tempo para me obrigar agora a escrever sobre a sua morte, ocorrida a 3 deste mês. É usual dizer-se que o tempo passa depressa, e isso acontece porque troca as voltas às referências mentais que traçamos para conceber os nossos espaços interiores. Porque, para lá da nossa subjectividade, tudo é formulação ou teorização, sobrando ilusões e fantasias onde soçobram certezas científicas, já que laudas e laudas de congeminações racionais não chegam a conclusão nenhuma. Na verdade, parece que foi ontem que “entrevistei” o Totói ma esplanada do Café Pic Nic para me ceder elementos sobre a sua carreira, tendo em vista o texto que entendi estava na altura de dar à estampa. 

      Há algum tempo que o deixara de ver passar à minha rua com o seu passo calmo e repousado ao encontro dos amigos com quem cavaqueava sobre a vida e o futebol. Depois, e mais actualmente, a clausura a que nos obriga a Covid-19 foi, e infelizmente continua a ser, uma espécie de desculpa para justificar ausências e silêncios. No entanto, uma por outra vez cheguei a pensar em telefonar para saber da sua saúde (não tinha número de telemóvel), mas o facto é que alguma estranha inibição me retraiu e fui adiando o gesto, do que agora me arrependo amargamente. Só me resta atribuir culpa ao mesmo vilão, o tempo, que não supus fosse estreitar drasticamente o horizonte das possibilidades de voltar a ver em vida o Amigo Totói.  

      Impressionou-me a imensa mole humana que acompanhou o Totói hoje à sua última morada, não fazendo caso da inclemência do calor que fazia suplicar por um lugar à sombra. O sentimento de consternação era expressivo em todos os rostos.

      Na sua celebração, o pároco fora de exemplar eloquência na exaltação das qualidades humanas, morais e cívicas do falecido, assim como do precioso legado que deixa à cidade como futebolista e como técnico dos vários escalões e camadas de formação do clube local. Interpretando o sentimento geral da cidade, o padre Mário Farinha Duarte foi, efectivamente, de particular veemência na descrição das virtudes do Totói como ser humano, destacando a sua espontaneidade no relacionamento e a simpatia e naturalidade com que tratava toda a gente, independentemente da idade, condição social, raça ou religião. Aliás, bastava olhar para os semblantes de quantos assistiram às exéquias fúnebres para se perceber que o sacerdote não falava em vão. A cidade sentiu a perda de quem honrou a camisola do clube local, mas muito significativamente do ser humano e cidadão que foi o António Eduardo Fortes.

“Impressionou-me a imensa mole humana que acompanhou o Totói hoje à sua última morada, não fazendo caso da inclemência do calor que fazia suplicar por um lugar à sombra. O sentimento de consternação era expressivo em todos os rostos.

      Durante o acto religioso, a filha mais velha usou da palavra de forma tocante, recordando o pai extremoso e o dedicado chefe de família, confessando que até ao fim da sua existência ele será sempre o seu guia, inspirador e companheiro.

      O cortejo fúnebre entre a Igreja e o Cemitério levou à frente uma comitiva do União de Tomar, portando a simbologia do clube. O curioso foi ter-se visto, logo no início do trajecto, uma camisola da Selecção de Futebol de Cabo Verde aberta e pendente de uma haste ladeando a estrada. Pareceu-me um gesto anónimo, pois não me apercebi de que alguém estivesse identificado com a iniciativa, mas interpretei-a como querendo sinalizar que o Totói era um homem de coração grande e ancorado em todos os lugares. Só os grandes corações é que derrubam fronteiras físicas e mentais e unificam pátrias, coisa que o mundo anseia ver realizado com urgência gritante. A popularidade de que ele gozava não era produto de qualquer artifício publicitário, resultava simplesmente da sua forma natural e autêntica de ser e de se dar.

      No funeral, estiveram presentes, entre outros nomes ligados ao Futebol, o treinador Manuel José, seu compadre e antigo colega no União de Tomar, e também o actual técnico do clube Santa Clara, João Henriques, natural de Tomar. 

O curioso foi ter-se visto, logo no início do trajecto, uma camisola da Selecção de Futebol de Cabo Verde aberta e pendente de uma haste ladeando a estrada.”

      Uma imagem que guardarei sempre do Totói reporta-se ao já longínquo ano 1965, quando, numa noite dos princípios de Novembro, pela primeira vez o vi nesta cidade, sem, no entanto, ainda o conhecer pessoalmente. Ele ia na rua Infantaria 15, impecavelmente vestido, trajando um elegante fato e sobretudo. Naquele tempo, havia certo primor com a indumentária. Entretanto, eu sairia de Tomar logo a seguir, com destino a Angola, e só alguns anos volvidos regressaria, estabelecendo então com ele uma amizade genuína, fomentada naturalmente pela nossa dupla condição de mindelenses (nascidos na cidade de Mindelo, Cabo Verde) e adeptos fervorosos do desporto-rei.

      Porque não há sortilégio de Dorian Gray que faça regredir o tempo, consolar-me-ei com o imaginar Totói no seu ritual urbano de outrora e nos encontros casuais que não raro ocorriam para o ouvir contar coisas de futebol.

Descansa em paz, Amigo Totói. E até sempre!

Tomar, 5 de Julho de 2020

Mostrar mais

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar