Mundo

Está estável homem que recebeu coração de um porco em cirurgia inédita realizada nos EUA

O homem que recebeu um coração de um porto em uma cirurgia inédita realizada nos Estados Unidos se encontra estável, três dias após a operação. A equipa médica norte-americana que transplantou um coração de porco no paciente justifica dizendo que foi uma tentativa derradeira para salvar a sua vida.

Esta notícia do transplante do coração do porco para um ser humano fez manchete um pouco por todo mundo, pelas implicações que esta cirurgia poderá ter no futuro. Os especialistas admitem que ainda é muito cedo para aferir se a operação terá sucesso, mas dizem que a iniciativa marca um passo na tentativa de décadas para conseguir usar órgãos de animais em transplantes que salvam vidas humanas, escreve o Jornal de Notícias em Portugal.

A equipa do Centro Médico da Universidade de Maryland disse que o transplante provou que um coração de um animal geneticamente modificado pode funcionar no corpo humano, sem rejeição imediata. O doente, David Bennett, 57 anos, sabia que não havia garantias de que a experiência médica resultaria, mas estava em estado terminal, sendo inelegível para um transplante de coração humano e não tinha outra opção, disse o filho. “Era morrer ou fazer este transplante. Eu quero viver. Eu sei que é um tiro no escuro, mas é a minha última hipótese”, disse Bennett, um dia antes da cirurgia, de acordo com um comunicado da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland.

Na segunda-feira, três dias após a cirurgia, Bennett estava a respirar autonomamente, enquanto ainda estava conectado a uma máquina de auxílio cardíaco. As próximas semanas serão críticas, enquanto Bennett recupera da cirurgia e os médicos monitorizam o seu coração.

Há uma enorme escassez de órgãos humanos doados para transplante, o que levou os cientistas a tentar descobrir como usar órgãos de animais. No ano passado, houve pouco mais de 3.800 transplantes de coração nos Estados Unidos, um número recorde, de acordo com a agência que supervisiona o sistema de transplantes do país. “Se este transplante de coração funcionar, haverá um suprimento infinito destes órgãos para pacientes que estão em sofrimento”, explicou Muhammad Mohiuddin, diretor científico do programa de transplante de animais para humanos da Universidade de Maryland.

Tentativas anteriores deste tipo de transplantes – xenotransplantes – falharam, em grande parte porque os corpos dos pacientes rejeitaram rapidamente o órgão animal. Uma experiência com um bebé, em 1984, falhou ao fim de 21 dias de experiência com um coração de babuíno. A diferença desta vez é que os cirurgiões de Maryland usaram o coração de um porco que passou por uma alteração genética para remover o açúcar nas suas células. Várias empresas de biotecnologia estão a desenvolver órgãos de porco para transplante humano.

A agência norte-americana de supervisão na área da Saúde Food and Drug Administration (FDA), permitiu a cirurgia sob o a classificação de autorização de emergência “por compaixão”, aplicável quando um paciente com uma condição de risco de vida não tem outras opções.

A cirurgia, realizada na passada sexta-feira, demorou sete horas. Bartley Griffith, o médico que realizou a operação, disse que a condição do paciente – insuficiência cardíaca e batimentos cardíacos irregulares – o tornava inelegível para um transplante de coração humano. Griffith já tinha transplantado corações de porco em cerca de 50 babuínos ao longo de cinco anos, antes de oferecer esta opção a Bennett. As válvulas cardíacas de porco têm sido usadas com sucesso há décadas em humanos. Aliás, o próprio Bennett recebeu uma há cerca de 10 anos.

C/JN

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo