Social
Tendência

Quatro reclusos iniciam greve de fome por tempo indeterminado na cadeia de S. Vicente

Quatro reclusos da cadeia civil de Ribeirinha começaram anteontem uma grave de fome por tempo indeterminado. O motivo prende-se com alegadas violações dos seus direitos – como castigos disciplinares injustificados e impedimento de receberem visitas dos familiares – cometidas supostamente por guardas prisionais, a mando da directora da penitenciária. 

O jurista Dith Mar Lima já comunicou o caso à Comissão dos Direitos Humanos, ao Presidente da República, ao Procurador-Geral da República e à Direção-Geral dos Serviços Penitenciários enquanto advogado dos presos. Na missiva, o causídico relata que no dia 9 de abril foi contactado por quatro reclusos que lhe comunicaram que foram colocados injustamente em celas disciplinares. Estes, prossegue, foram unânimes em dizer que isso aconteceu pelo facto de estarem a preparar uma greve de fome, por estarem impedidos de receber visitas, assim como encomendas e produtos de primeira necessidade enviados por familiares. “… e outras situações que consideram abusivas dos seus direitos e garantias enquanto cidadãos e reclusos.”

No dia anterior, revela o advogado, quando os presos estavam a preparar a comunicação da greve, que iriam enviar para a secretaria da cadeia, foram abordados por 4 guardas, colocados com as mãos na parede e revistados. Os agentes prisionais, adianta, recolheram os papéis, canetas, livros – como o Código de Execução de Penas e a Constituição da República – e metidos nas celas disciplinares. Os reclusos foram informados pelos guardas, conforme o jurista, que estavam a agir com base em ordens superiores. Os envolvidos, diz a nota, foram ouvidos no dia seguinte pela directora do estabelecimento prisional e informados que estavam a ser acusados de instigação a motim, intimidação de colegas, perseguição e rebelião. Acusações que negam, segundo o advogado.

Na carta remetida às referidas entidades, o jurista afirma que os reclusos relataram ocorrências graves na cadeia, uma delas a morte de um recluso estrangeiro que estaria infectado com o vírus da Covid-19. “Dizem unanimemente que o tal recluso passou duas semanas requerendo que fosse levado para o hospital, mas que isso foi-lhe negado peremptoriamente por conta de represálias, uma vez que esse recluso havia participado factos inerentes à violação dos seus direitos e regalias à Comissão de Direitos Humanos”, escreve o advogado Dith Mar, lembrando que o falecimento do preso foi noticiado e a sua morte relacionada com a Covid-19. Este acrescenta que essa situação deveria ser investigada, pois os dados apontam para uma eventual atitude de negligência ou dolo, pois tudo indica que o recluso faleceu na cadeia e não a caminho do hospital, como foi relatado.

Há cerca de quatro anos que, segundo esse jurista, vem recebendo participação e queixas de vários reclusos sobre actos abusivos ocorridos na cadeia de Ribeirinha. Vão desde agressões físicas e verbais, castigos disciplinares injustificados, processos disciplinares sem desfecho, etc. Entre os denunciantes, acrescenta, muitos já saíram por terem cumprido a pena integral, outros estão em liberdade condicional. Para ele, estas informações precisam ser investigadas. Aliás, o advogado requer a abertura de um inquérito e que seja analisada a situação dos reclusos que entraram em greve de fome.

Este jornal entrou em contacto com a directora da cadeia de S. Vicente, mas esta negou falar do assunto, alegando que não estava autorizada.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo