Escolha do EditorSocial
Tendência

Jovem acusa plantão de urgência do HBS de discriminação por sofrer de nanismo

Bruna Rodrigues passou por uma experiência no hospital de S. Vicente, que, para ela, é um caso de discriminação motivada pelo puro facto de sofrer de nanismo. Segundo esta jovem de 22 anos, procurou o serviço de urgência na semana passada, esperou por sete horas, não foi vista pela médica de serviço e foi obrigada a suportar comportamentos “discriminatórios” cometidos alegadamente pelo recepcionista e uma enfermeira. A moça, que estava com dores de barriga, fez duas reclamações por escrito, ficou de ser recebida pela direção do HBS na passada quarta-feira, mas tal nunca aconteceu. Decidiu divulgar esse caso através do Mindelinsite, pois, para ela, é inconcebível que um serviço de saúde pública tenha funcionários que tentam atingir a auto-estima de pessoas só por causa da sua condição física.

Bruna Rodrigues chegou à Urgência do HBS por volta das 13 horas do dia 31 de maio e tudo começou a decorrer na normalidade. Meia hora depois foi atendida por uma enfermeira, que a mandou aguardar na sala de espera. Entretanto, o tempo foi passando e ela contando as horas. Enquanto isso começou a notar que o atendimento dos pacientes não estava a seguir a “norma”, isto é respeitando a hora de chegada e a prioridade aos idosos. Observou que algumas pessoas usavam “esquemas” – como o caso de um homem que fingiu ir para a casa-de-banho e ficou dentro da sala que dá acesso ao gabinete da médica de plantão – e outras pessoas que foram passadas à frente dela. Mas, resumidamente, de nada serviu as suas chamadas de atenção.

Quatro horas depois, e com as dores persistindo, resolveu contactar a enfermeira que a atendeu e saber por quê ainda não foi vista pela médica de plantão. Ela disse-lhe apenas para “esperar”. 

Nesse meio tempo, chegou uma jovem a gritar de dores e foi logo encaminhada para atendimento médico. “Eu voltei a reclamar, dizendo que não podem funcionar à base de ‘padrinhagem ou dar atendimento a quem grita mais alto. Pelos vistos, quem controla as suas emoções não tem vez”, comenta a moça.

Inconformada com a sequência de coisas “anormais” que estava acontecendo, enquanto ela era ignorada, Bruna Rodrigues decidiu protestar por escrito. Pediu o livro de reclamação e lavrou um primeiro protesto denunciando a forma de atendimento. 

O tempo foi passando e Bruna completou cinco horas à espera, e com fome. Viu a enfermeira que a atendeu e voltou a falar com ela. A mesma resposta: tem que esperar. “Respondi-lhe que não tenho que esperar, mas sim ser atendida. Que estava à espera havia 5 horas, sem comer e lembrei-lhe que são os próprios profissionais da saúde que aconselham as pessoas a não ficarem tanto tempo sem comer”, desabafa a jovem.

Segundo Bruna, sempre que presenciou situações anômalas abordou tanto o ficheiro como o segurança, mas estes nada fizeram. “Sempre diziam que o assunto não era da competência deles, para falar com a médica. Entretanto, quando pedia para ir ter com a médica eu era impedida”, revela a jovem.

“Uá, nem tamonhe ela tem!”

O caldo voltou a entornar quando Bruna Rodrigues resolveu lavrar a sua reclamação. Como conta, enquanto escrevia, uma enfermeira saiu da ala de triagem e disse em voz alta: “Olha ela a fazer uma reclamação, nem tamanho ela tem! Se não tivesse reclamado até que podia dar-lhe um expediente para ser atendida!” 

Esta frase bateu fundo no peito da jovem, mas, diz, preferiu engolir a ofensa. “Apenas respondi que não estava à procura de nenhum tratamento previligiado, apenas queria ser vista por um médico como é meu direito”, diz Bruna, que decidiu fazer mais um protesto por alegado acto discriminatório.

Só que, quando tentou saber o nome da enfermeira e da médica de serviço, ninguém soube dizer-lhe. “É impressionante como dão cobertura uns aos outros”, frisa a jovem, que decidiu, desse modo, reclamar contra o plantão de serviço.

A dado instante, Bruna Rodrigues viu a médica e aproveitou para falar com ela. Só que, para seu desalento, de nada serviu essa abordagem. “Expliquei-lhe que estava lá havia mais de 5 horas, que estavam a passar pessoas à minha frente e ela pura e simplesmente respondeu que ela não tinha nada a ver com isso, para ir tratar o assunto com o recepcionista”, conta a estudante universitária.

Para ela foi a gota de água. Triste, com a auto-estima abalada, não conteve as lágrimas. Bruna Rodrigues sentiu que o problema era ela, ou melhor, o facto de sofrer de nanismo, uma doença que impede o crescimento normal dos afectados. “Olham-nos de cima para baixo e nos julgam menos gente. Quando pedi o livro de reclamação ficaram com cara de surpresa, julgando que sou analfabeta”, comenta a jovem, que está no terceiro ano do curso superior de Línguas e Relações Empresariais e já foi aluna de mérito por dois anos lectivos consecutivos na UniMindelo. 

Apesar de abalada, Bruna Rodrigues decidiu ir em frente e entregar as duas reclamações. Após esperar por quase sete horas, a jovem telefonou ao pai para a ir buscar. Regressou à casa sem ser vista por um médico e com a auto-estima ferida. “Se eu fosse fraca poderia cometer suicídio ou então deixar de ir para o hospital com medo de voltar a ser discriminada por causa da minha aparência”, realça a moça, que lida normalmente com o nanismo. Como diz, é uma pessoa normal, ponto final.

Bruna Rodrigues deixou lavradas duas reclamações, mas tem dúvidas se elas irão merecer tratamento. Primeiro porque, diz, deram-lhe uma fotocópia sem a mínima qualidade. Desse modo, pediu ao recepcionista para assinar uma nota dando conta que recebeu as reclamações e este negou fazer isso. Logo, duvida se terão seguimento. Além do mais, prossegue, disseram-lhe que seria recebida na passada quarta-feira pela direção do HBS, coisa que ainda não aconteceu. 

O Mindelinsite tentou desde ontem abordar a directora do HBS sobre esta questão, mas não recebeu qualquer reação até este momento. O jornal fica disponível para ouvir a versão do hospital quando for possível.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo