Opinião
Tendência

Um ano depois o PGR reconhece perante o TC que o mandado de captura contra Saab estava em nome de outra pessoa

Um ano depois o Procurador-Geral de Cabo Verde reconhece perante o Tribunal Constitucional que o mandado de captura contra Alex Saab estava em nome de outra pessoa

Um ano após a detenção de Alex Saab, o Procurador-Geral admitiu que o mandado de detenção anexo ao pedido de extradição dos EUA de 29 de junho de 2020, que serve de base para a extradição de Alex Saab, estava em nome de …. outra pessoa. 

Nos seus contra-argumentos ao Tribunal Constitucional, o Procurador-Geral solicitou a retificação nos seguintes termos: “foi mencionado que existe um mandado de captura internacional contra o Requerente emitido pelas autoridades judiciais dos EUA. Neste momento, aproveitamos esta oportunidade para solicitar a retificação do erro manifesto que consiste na anexação do mandado em nome de Álvaro Enrique Pulido-Vargas”. O Procurador-Geral explica ainda que os mandados foram emitidos em nome de Alex Saab e Álvaro Enrique Pulido-Vargas, mas “por engano, no pedido de extradição enviado a Cabo Verde, o Estado requerente anexou a primeira página do mandado original em nome de Álvaro Enrique Pulido-Vargas, … mas as páginas seguintes do mandado e as traduções para português e espanhol estão em nome de Alex Saab”.

O que é certo e o que está provado é que a 12 de junho, quando Alex Saab foi detido, não lhe foi mostrado um Alerta Vermelho, e não poderia ter sido, pois só foi emitido posteriormente, após a detenção. Além disso, o Alerta Vermelho contra Alex Saab não continha o mandado de detenção e foi emitido em violação das Regras de Processamento de Dados (IRPD) da INTERPOL, que exigem “referência a um mandado de detenção válido”, conforme o Artigo 83 (2) (v) sobre dados mínimos necessários para a publicação dos Alertas Vermelhos. Não é surpreendente, pois a Diretora do Gabinete de Assuntos Jurídicos da INTERPOL (que trata dos pedidos de emissão de Alertas da INTERPOL) é Mary D. Rodriguez, uma norte-americana destacada do Departamento de Justiça dos EUA, a mesma organização que está a processar e a perseguir Alex Saab.

A Venezuela contestou com sucesso a ilegalidade do Alerta Vermelho que foi cancelado a 25 de junho de 2020. Este facto, juntamente com o pedido de libertação, foi imediatamente comunicado ao Procurador-Geral da República de Cabo Verde, Ministro da Justiça, Tribunal da Relação de Barlavento e Supremo Tribunal de Justiça. Mas até agora, em vão. 

Com que base continuou Cabo Verde a deter Alex Saab?

A 29 de junho, os Estados Unidos apresentaram o seu pedido de extradição a Cabo Verde. Continha o mandado de detenção com o nome errado, não Alex Saab. Os mesmos Ministro da Justiça e Procurador-Geral aprovaram o pedido de extradição, apesar de todas as provas fatuais e legais óbvias em contra. Estes factos foram relevantes para a decisão do Tribunal da CEDEAO que considera a detenção ilegal.

A defesa do Embaixador Saab relatou a ausência do mandado de detenção em numerosas ocasiões às autoridades judiciais e policiais cabo-verdianas. Em vão. 

Alex Saab foi detido, preso ilegalmente e deve ser libertado de imediato. A sua extradição deve ser cancelada. A lei foi flagrantemente violada pelos Estados Unidos e Cabo Verde, o que foi confirmado ilustres juízes do Tribunal de Justiça da CEDEAO. 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo