Mundo
Tendência

Marcelo Rebelo de Sousa eleito com 60,7% dos votos

Marcelo Rebelo de Sousa foi reeleito para o cargo de Presidente da República com 60,7% dos votos, quase 50 pontos percentuais acima da segunda classificada, Ana Gomes, e ainda reforçou a votação de 2016. Mas estas eleições ficam também marcadas por uma forte abstenção, a maior de sempre. 60,51% dos eleitores inscritos não votaram.

No seu discurso da vitória, o Presidente da República renovou o seu compromisso com os portugueses, que querem um Presidente “que respeite o pluralismo e a diferença, um Presidente que nunca desista da justiça social”, e frisou que “o mais urgente” agora é o combate à pandemia de Covid-19.

“A 2 de novembro, dia da evocação das vítimas da pandemia no Palácio de Belém, havia 2590 mortos. São agora 10.469. Para eles, assim como para os mortos não Covid, vai o nosso primeiro pensamento”, disse o chefe de Estado reeleito. “Temos de fazer tudo o que de nós dependa, mas mesmo tudo, para travar e depois inverter um processo que está a pressionar em termos dramáticos as nossas estruturas de saúde”, salientou, reafirmando que “os portugueses querem mais e melhor” em termos de justiça social e em gestão da pandemia. “A confiança não é um cheque em branco”.

De acordo com os dados oficiais, em segundo lugar ficou a candidata independente Ana Gomes, com 12,97% dos votos. A mulher mais votada de sempre em Portugal ultrapassou, assim, o candidato da extrema-direita André Ventura, do partido Chega, que ficou em terceiro lugar com 11,90% dos votos. Em quarto lugar ficou João Ferreira, o candidato apoiado pelo Partido Comunista Português (PCP), com 4,32% dos votos, seguido por Marisa Matias, apoiada pelo Bloco de Esquerda (BE), com 3,95%. Tiago Mayan do partido Iniciativa Liberal ficou em sexto lugar, com 3,22%, seguido do candidato independente Vitorino Silva, com 2,94%.

O Presidente de Cabo Verde já felicitou o seu homólogo pela “vitória eleitoral expressiva” nas presidenciais em Portugal, descrevendo-o como um “amigo de Cabo Verde”, e disse esperar um reforço das relações bilaterais. Numa mensagem divulgada na sua conta oficial na rede social Facebook, Jorge Carlos Fonseca assume o objetivo de “juntos” continuarem a trabalhar “para a consolidação das relações entre Cabo Verde e Portugal e no quadro da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). “Reeleito um Presidente que, inegavelmente, é amigo de Cabo Verde e que tem contribuído para o reforço da amizade e da cooperação entre os dois países”.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo