Desporto

Mindelense perde, mas Académica da Praia fica arredada das meias-finais

O Mindelense perdeu por uma bola a zero para a Académica da Praia no Estádio da Várzea, em jogo a contar para a 6ª e última jornada da fase de grupos do Nacional de Futebol. A derrota não desmoralizou os campeões de S. Vicente, já classificados para as meias-finais, onde vão encontrar o Oásis do Sal, a primeira equipa apurada, o Ultramarina de São Nicolau e o Onze Estrelas da Boa Vista, que fez história na prova máxima do futebol nacional.

Foi a primeira derrota do Mindelense no campeonato nacional. O golo da Micá foi apontado no início da partida, aos sete minutos, da cobrança de um livre. Nesta altura, a Académica da Praia dominava a partida, tendo inclusivo desperdiçado algumas oportunidades para aumentar o placar. Mas foi com este resultado que os jogadores foram para o balneário.

Na segunda metade da partida, o Mindelense, que tinha uma grande claque no Estádio da Várzea, voltou mais focado. As jogadas levavam o perigo para as redes da Micá, sendo o lance mais flagrante aos 40 minutos, numa jogada em que Larry impediu o Papalele de mandar a bola para o fundo das redes. Resultado final, Académica da Praia um, Mindelense Zero.

Mas este foi um campeonato equilibrado em que, exceptuando o Mindelense e o Oásis, a conjugação dos resultados garantia possibilidades de apuramento a quase todas as equipas. Por exemplo, um empate garantia a classificação do Sporting da Brava e o Ultramarina de São Nicolau. Mas os campeões regionais da ilha de Chiquinho não estavam para brincadeira e golearam a Académica 83 no Maio. Já os campeões da Brava perderam por 3×0 com o Santo Crucifixo da Ribeira Grande.

Já o Onze Estrelas da Bufareira na ilha da Boa Vista, que chegou a esta jornada com 10 pontos, recebeu e venceu o Varandinha por 2×1. Com este resultado, a equipa classificou para as meias finais como a segunda melhor equipa desta prova rainha do futebol nacional. No Grupo C, o Celtic surpreendeu o Oásis, já apurado, com um contundente 4×0.

Para o Grupo A, a Académica do Porto Novo empatou com a Micá do Fogo, mas também fica pelo caminho. E isso, mesmo que venha a ganhar o recurso contra a decisão do Conselho Disciplinar, que deu a vitória ao Mindelense por alegada utilização indevida de jogadores por parte do campeão regional de Santo Antão Sul. É que à Micá só a vitória interessava.

Amanhã às 11 horas realiza-se o sorteio que vai determinar quem vai jogar com quem nas meias-finais, que tem quatro equipas do Barlavento: Mindelense de São Vicente, Oásis do Sal, Onze Estrelas da Boa Vista e Ultramarina de São Nicolau, numa clara supremacia do futebol do norte.

Constânça de Pina

Mostrar mais

Artigos relacionados

2 Comentários

  1. Estejam atentos a cara de alegria que mais logo a noticia de derrota de Mindelense (mesm sem efeitos práticos) será dado no jornal de desporto da RTC (Tribuna VIP).

  2. No programa desportivo de hoje, vão falar da Académica sim, mas, na taça (e não no campeonato).
    Aliás, foi ver como que, desde o momento em que se começou a desenhar a ideia de que seria muito dificil a Académica continuar no campeonato, o jornalismo desportivo (certos jornalistas), passaram a dar as notícias do campeonato mas, quando chegava a hora de falar da Académica, desviavam sempre para falarem da Taça de Cabo-verde onde, por PERÍCIA dos responsáveis do futebol, ela ainda se mantém em prova.
    E para branquear tudo, até se promove “A LAVAGEM DA MENTIRA”:
    Ainda há dias escutamos um jornalista desportivo a querer subrepticiamente “botar as culpas nos clubes”, por causa da desorganização que reina no futebol.
    Durante o relato e respondendo a uma pertinente pergunta do Rito Afonso (sobre estes calendários das provas), aquele jornalista quase que fazendo descaso, reage dizendo que, segundo ele, os clubes irão reclamar sempre, e para provar isso, deu como exemplo as reclamações do Santa Maria no ano passado que ficou dois meses parado para depois ter de ir jogar com (por coincidência) o Spporting da Praia que estava com as canelas bem redadas.
    E este ano, em que após a FCF ter acabado com aquela espera inativa de dois meses para certas equipas, o Santo Crucifixo aparece a queixar-se das alterações no calendário.
    No fundo, o jornalista quer mandar a mensadem, simplória diga-se, de que no ano passado, fez-se duma maneira, os clubes (Santa Maria) queixaram-se, e este ano fez-se o contrário, os clubes (Santo Crucifixo) voltam a queixar-se, querendo com isso dizer que os clubes, são uns eternos insatisfeitos, ou que não é possível agradar a gregos e a troianos, ou que as pessoas têm de entender que não é possível fezer-se melhor do que isto.
    Ou seja, é a TCV ao serviço da FCF, em vez de ser a TCV, ao serviço do futebol.
    Mas porque é que o jornalista não procurou verificar se a FCF teria errado no ano passado ao fazer as coisas como fez e se não teria voltado a errar este ano ao fazer as coisas como fez??
    O que quererá ele proteger?? Garantir??Por que medos se coze a sua conduta???

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo