Desporto

Atlético vence ABC e sagra-se campeã nacional de andebol feminino: “Doce vingança”

O Atlético conseguiu a proeza de ganhar todas as equipas que lhe apareceram pela frente no campeonato nacional de andebol feminino e conquistar ontem à noite o troféu mais ambicionado da modalidade em Cabo Verde. O desafio final foi contra o ABC da Praia, nada menos que a campeã em título oito anos consecutivos, mas, apesar do equilíbrio no marcador registado ao longo da partida, as meninas de S. Vicente mostraram garra e asseguraram a vitória por 27-26, um golo que fez toda a diferença.

“Há dois anos, sentimos o sabor da derrota com o ABC, que nos venceu nos últimos segundos por uma bola. Agora foi a doce vingança”, comenta Lindy, uma das principais goleadoras e defensoras da formação mindelense. Para esta jogadora, este nacional teve algo diferente, pois sentiu um grande nível de confiança na equipa que, diz, acreditou na sua potencialidade.

“Houve jogos difíceis, mas mostramos sempre garra e determinação. Em nenhum momento sentimo-nos intimidadas pelo palmarés do ABC porque viemos para mostrar o que valemos”, diz a atleta, que, apesar da marcação cerrada a que foi sujeita no campeonato, conseguiu ficar a uma diferença de apenas cinco golos da melhor goleadora da prova, a atiradora de serviço do ABC, Txumamãe.

Para Letícia, a central do Atlético do Mindelo, a ficha ainda não caiu. Reconhece que foi invadida por uma sensação indiscritível, mas continua a digerir esse especial sabor à vitória. “Há dois anos estivemos a uma unha de ganhar o campeonato, igualmente frente ao ABC. Hoje alcançamos esse objectivo e não podia ficar mais orgulhosa das minhas colegas e da equipa técnica”, reconhece aquela que para muitos merecia ganhar o prémio de melhor jogadora da prova. Letícia salienta que a equipa enfrentou dificuldades na competição, mas para ela o importante é que deu uma resposta como um colectivo.

No pavilhão dos Espargos, no Sal, o Atlético começou o jogo a marcar e foi para o intervalo com duas bolas de vantagem. A equipa entrou com a mesma postura no segundo período, encaixou as investidas do ABC, principalmente nos momentos finais, e conseguiu fechar o encontro com a margem mínima. Um único golo que, tal como aconteceu com o ABC há dois anos, deu agora o título nacional, o primeiro, à formação comandada pelo técnico Aquilino Fortes.

“Sabíamos que seria um desafio difícil, ainda mais porque a nossa equipa estava fragilizada por causa da lesão da Leila e a falta de experiência das nossas duas guarda-redes. Fomos no entanto fiéis à estratégia que traçamos, vencemos o Seven Stars na primeira jornada e conseguimos passar em primeiro lugar no nosso grupo. Os jogos com a Super Estrela e Palmera não foram fáceis, mas o importante é que alcançamos a vitória”, comenta Aquilino Fortes, para quem S. Vicente merecia esse título. Como recorda, no ano passado o Amarante perdeu com o ABC quando tinha o jogo na mão, e há dois anos, o Atlético sofreu o golo da derrota frente igualmente ao ABC nos últimos segundos. Este título, para Fortes, irá dar um novo alento à equipa masculina do Atlético do Mindelo, que começa depois de amanhã a disputar o nacional no polidesportivo de Monte Sossego.

Além do troféu de campeão, Aquilino Fortes conquistou o prémio de melhor treinador. Célia Oliveira, ex-atleta do Atlético do Mindelo, foi distinguida como melhor guarda-redes, agora pelas cores do GD Palmera; a atleta Txumamãe foi a melhor marcadora, enquanto o prémio individual de melhor jogadora da prova foi atribuída a Rosângela, central do Seven Stars.

Caído o pano no nacional feminino, as atenções viram-se agora para a prova masculina, que começa depois de amanhã, 24, na cidade do Mindelo. O Atlético vai defender o título nacional conquistado no ano passado e será acompanhado pelo Clube Farense, enquanto segundo representante da região de S. Vicente.

KzB

Mostrar mais

Artigos relacionados

Um Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo