Mundo

Incêndio em hospital para doentes com Covid-19 no Iraque faz pelo menos 82 mortos

Pelo menos 82 pessoas morreram na noite de sábado na sequência de um incêndio e explosão no hospital Al Jatib, no sudeste de Bagdade, no Iraque, noticiou a agência Efe, que cita fonte sob anonimato do ministério do Interior. Outras 110 pessoas ficaram feridas na sequência do acontecimento.

Segundo a mesma fonte, o incêndio resultou da explosão de cilindros de oxigénio. As mortes aconteceram por asfixia, adiantou. O incêndio terá tido origem em cilindros de oxigénio “armazenados sem cumprir as condições de segurança”, disseram, por seu lado, fontes médicas à agência de notícias France-Presse (AFP).

Durante a noite, dezenas de familiares encontravam-se ao lado da cama de “30 pacientes nesta unidade de cuidados intensivos” do hospital reservado para os casos mais graves de Covid-19. As chamas espalharam-se, relatou uma fonte médica. Nas redes sociais circulam vídeos que mostram bombeiros a tentarem apagar o incêndio, enquanto doentes e familiares procuram escapar do prédio, localizado na periferia sudeste de Bagdade.

Já a agência noticiosa estatal iraquiana, a INA, noticiou que o incêndio pode ter sido provocado por um curto-circuito ou pela explosão de botijas de oxigénio em mau estado. Mais de 20 equipas de combate a fogos conseguiram apagar as chamas deste “incêndio massivo”, indica a Defesa Civil iraquiana, que informou em nota terem conseguido resgatar cerca de 90 pacientes durante a evacuação do centro. Na nota acrescenta-se que dezenas de vizinhos ajudaram os pacientes, a maioria idosos e pessoas que estavam ligadas a ventiladores.

“Precisamos de rever, urgentemente, as medidas de segurança em todos os hospitais para evitar que um incidente tão doloroso como este aconteça no futuro”, disse Khalid al-Muhanna, porta-voz do Ministério do Interior.

Em comunicado, o Alto Comissariado Independente para os Direitos Humanos do Iraque pediu ao governo que tome uma “posição responsável” após o incidente e e exigiu a demissão da tutela, ao mesmo tempo que recorda as deficiências do sistema de saúde, em especial durante uma situação tão excepcional como a pandemia de covid-19.

C/Publico.pt

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo