Mundo

França fecha escolas durante três semanas

O Presidente francês anunciou ontem na televisão que as escolas vão fechar durante três semanas para tentar travar a terceira vaga de Covid-19 e as medidas em vigor nalgumas regiões vão ser alargadas a todo o país. Emmanuel Macron anunciou que a partir de 05 de abril as creches e escolas vão ser encerradas e as férias de primavera serão antecipadas para 12 a 26 de abril.

No fim de abril as creches e escolas primárias vão reabrir, mas o ensino básico e secundário só recomeça no início de maio. Na primeira e na última semana de abril, as aulas vão ser ministradas à distância. Os pais que ficarem em casa com as crianças vão ter direito a um novo “lay-off”.

“Os estudantes, caso desejem, podem continuar a ir à universidade uma vez por semana neste período”, acrescentou o Presidente, realçando que as limitações actualmente em vigor em 19 departamentos do país vão ser alargadas a todo o território nacional, exceto os territórios ultramarinos.

Assim, a partir deste sábado, 03 de abril, e até dia 02 de maio, vai haver um recolher obrigatório nacional entre as 19h e as 06h. Os franceses estão impedidos de se deslocarem a mais de 10 quilómetros do seu domicílio a não ser em situações excepcionais. Serão ainda encerrados todos os comércios não essenciais e o teletrabalho vai ser reforçado.

“Alguns queriam o regresso das justificações como em março de 2020 para sair de casa durante o dia, mas não foi essa a nossa opção porque a irresponsabilidade de alguns não deve estragar os esforços de todos. Os controlos e as sanções na via pública vão ser reforçados”, disse Mácron.

A França vai abrir 1.700 centros e espera conseguir vacinar todas as pessoas com mais de 60 anos até meados de abril, mais de 50 anos a partir do meio de maio e para a população em geral a partir de 15 de junho.

Desde o início da pandemia já morreram em França 95.364 pessoas e foram detetados 4 585 385 casos de Covid-19.

Fonte: Dn.pt

Mostrar mais

Artigos relacionados

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo