Mundo
Tendência

EUA ratificam Biden, após invasão ao Capitólio com 4 mortos, 14 feridos e 52 detidos

O Congresso americano ratificou a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais de novembro esta madrugada de quinta-feira. O presidente Donald Trump já veio dizer que “haverá uma transição ordenada a 20 de janeiro”, no rescaldo da invasão ontem ao Capitólio de seus apoiantes, que terminou com 4 mortos, 14 feridos e 52 detidos. 

“Embora isso represente o fim do maior primeiro mandato da história presidencial, é apenas o começo de nossa luta para tornar a América grande de novo“, afirmou Donald Trump ao reconhecer a derrota para Joe Biden, que tomará posse no dia 20.

Esta declaração foi publicada pelo porta-voz da Casa Branca, após apoiantes do presidente invadirem o Congresso e causar a suspensão da sessão. Quatro pessoas morreram durante a invasão, segundo a polícia. “Mesmo que eu discorde totalmente do resultado da eleição, e os factos me confirmem, haverá uma transição ordenada em 20 de janeiro”, afirmou o presidente.

A sessão foi retomada horas depois da interrupção e encerrada esta madrugada, após o vice-presidente Mike Pence proclamar o resultado. “O anúncio do estado da votação pelo presidente do Senado será considerado uma declaração suficiente para as pessoas eleitas presidente e vice-presidente dos Estados Unidos para o mandato que começa no dia 20 de janeiro de 2021 e será inscrito junto à lista de votos nos jornais do Senado e da Câmara dos Representantes”, afirmou Pence após a contagem dos votos do Colégio.

Em condições normais, a sessão seria uma formalidade. Mas Trump pressionava Pence, que presidiu a sessão porque o vice-presidente também ocupa o cargo de presidente do Senado, a não aceitar a certificação.

Ao retomar a sessão, Pence — que também saiu derrotado na tentativa de se reeleger como vice na chapa de Trump — criticou a invasão do Capitólio e celebrou a volta da sessão.“Para aqueles que causaram estragos em nosso Capitólio hoje: vocês não ganharam”, disse Pence durante seu discurso.

“A violência nunca vence. A liberdade vence. Ao nos reunirmos novamente nesta câmara, o mundo testemunhará novamente a resiliência e a força de nossa democracia. E esta ainda é a casa do povo. Vamos trabalhar”, concluiu.

C/CM.PT e Globo.com

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo