Mundo

Covid-19: OMS alerta para “tsunami de infecções” e pede cautela no Natal

A chefe técnica da Organização Mundial da Saúde, Maria van Kerkhove alertou, numa entrevista ao jornal El País que, para um Natal em segurança, “a vacinação, só por si, não é suficiente” para travar o vírus da Covid-19. Por isso, pediu aos cidadãos que sejam “extremamente cautelosos” nos encontros familiares.

Para o mundo chegar ao fim da pandemia – que espera que seja em 2022 – disse esta responsável, é preciso que as medidas sejam contínuas e não apenas num período curto depois das férias. “Não há risco zero, mas pode ser reduzido se todos forem vacinados, se fizerem um teste de antígeno antes de ir, se as atividades forem ao ar livre, se garantirem uma boa ventilação e se limitarem o número de pessoas”, aconselhou a responsável. 

Questionada sobre a propagação da variante Ómicron no Reino Unido, a epidemiologista disse que o mundo enfrenta “um tsunami de infeções, tanto da variante Delta (a variante dominante nos últimos meses) como da Ómicron” e deixou uma mensagem aos governos para que atuem neste momento. “Não esperem para agir. E não me refiro a confinamentos. Antes de começar a ver as hospitalizações a aumentar, usem máscaras, facilitem o teletrabalho, limitem o contato com outras pessoas, evitem reuniões, invistam na ventilação, aumentem a vigilância de genomas de vírus e preparem os hospitais. Esta é a hora de agir contra a variante Delta também, porque também ela está a causar estragos.” 

Maria van Kerkhove lembrou que, tanto na Europa, como no resto do mundo, há muita gente vulnerável que ainda não completou a vacinação contra a Covid-19. “Esse é o grande problema, seja qual for a variante”, frisou, apelando à vacinação, mas insistindo que são precisas outras medidas para conter a propagação do vírus, tendo em conta que a inoculação previne doença grave e morte, mas não completamente infeção. 

Sobre a nova variante, a especialista assinalou que ainda é cedo para tirar conclusões sobre se a infeção causa doença leve – porque a informação ainda é muito limitada -, mas referiu que se espera que a Ómicron consiga escapar da resposta imune, até certo ponto. “Mas isso não significa que as vacinas sejam inúteis. Significa apenas que nos podem não proteger tanto quanto vimos contra a Delta”, acrescentou, reforçando o apelo à vacinação. 

Mesmo que a doença causada pela Ómicron seja mais ligeira, isso não será propriamente uma boa notícia, no entender da especialista da OMS.  “Se tiver uma maior transmissibilidade e houver um grande número de casos, (…) isso vai traduzir-se num maior número de hospitalizações. E um maior número de hospitalizações num sistema já sobrecarregado conduzirá a mais mortes”, alertou, lembrando que uma ou duas pessoas em cada 10 infeções levarão a casos de Covid-19 persistente, de acordo com algumas estimativas. 

Por fim, a responsável considerou que 2022 tem de ser o ano em que o mundo acaba com pandemia e que isso está nas nossas mãos, como sempre esteve desde o início. “Temos de acabar com esta pandemia. Precisamos de diminuir a transmissão, baixar a doença grave com a vacinação e chegar a um tratamento. 2022 tem de ser o ano em que o conseguimos”, disse, considerando que não está a ser feito o suficiente para se chegar perto do fim da pandemia“Muito mais precisa ser feito. E isso não pode ser feito após as férias ou em dois meses. Tem de ser feito agora e todos os dias”, rematou.  

Fonte: Notícias ao minuto

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo