Atualidade

Grávida evacuada do Sal para S. Vicente infectada com Covid-19

Uma grávida evacuada da ilha do Sal para o Hospital Baptista de Sousa acusou a presença de anticorpos num teste de Covid-19 realizado hoje. Neste momento, a direcção do HBS está apenas a aguardar uma análise molecular PCR para ter uma confirmação definitiva de um caso de contaminação pelo novo coronavírus.

Segundo Ana Brito, a mulher, na casa dos 30 anos, veio evacuada do Sal na quarta-feira devido a complicações na gravidez. Esta começou a apresentar dificuldades respiratórias, foi submetida a uma radiografia, que acusou a presença de uma pneumonia, e depois a testes de sangue e de anticorpos à Covid-19. Os resultados foram positivos, pelo que agora o HBS está a aguardar o exame PCR, que será efectuado na cidade da Praia.

Perante este alerta, as autoridades sanitárias começaram a agir no sentido de identificar as pessoas que estiveram em contacto com a paciente, nomeadamente um condutor, enfermeiros e médicos, que serão colocados de quarentena. Além disso, o HBS comunicou o caso à sua congénere do Sal para tomar as medidas que a situação exige.

Segundo Ana Brito, não havendo casos de Covid-19 no Sal é estranho o surgimento desta situação. Para ela é fundamental um rastreio e que se venha a descobrir como foi possível a contaminação, procedimento que, diz, cabe em primeira mão aos serviços de saúde da ilha do Sal.

A grávida saiu directamente do aeroporto Cesária Évora para o hospital Baptista de Sousa, pelo que terá mantido contacto fundamentalmente com técnicos de saúde. Resta, no entanto, saber quantos passageiros estavam no voo que a trouxe da ilha do Sal.

Devido a esse diagnóstico, a mulher ainda não foi submetida a cesariana. Este caso vem aumentar para 4 o número de pessoas oficialmente infectadas com o coronavírus em S. Vicente. A ilha estava livre do Covid-19 desde que a paciente de nacionalidade chinesa recebeu alta e a normalidade estava a regressar ao quotidiano dos mindelenses. Agora surge um novo perigo no horizonte.

Mostrar mais

Artigos relacionados

6 Comentários

  1. Muito bem Guilherme!
    Que raio de jornalista é este que escreve uma notícia destas. Pelas contradições que ele mesmo faz, ode-se dizer que isto é uma “contra-notícia”.
    Diz que se estão aguardando o teste PCR para se ter a confirmação (ou não), mas termina dizendo que “oficialmente” se trata do quarto caso em São Vicente.
    Senhor jornalista, seja responsável, feveria aguardar pelo resultado do teste PCR, ou então, escrever a peça em outros moldes.
    Sejamos todos coerentes e responsáveis.

  2. Acabo de saber que o resultado foi positivo para IgM e IgG o que sugere que a paciente ainda está doente (neste caso concreto é confirmado pelos sintomas). Também é muito provável que foi infetada há mais de 10 dias por causa do valor positivo do IgG. Se fosse IgM positivo e IgG negativo sugeriria infeção mais recente (pois o IgM aparece antes do IgG) e uma varga viral maior (curva a amarelo designada título viral na figura em anexo) e maior risco de contágiar outras pessoas! Ver figura em: https://www.grupobrmed.com.br/img/covid19/grafico.png

  3. Acabo de saber que o resultado foi positivo para IgM e IgG o que sugere que a paciente ainda está doente (neste caso concreto é confirmado pelos sintomas). Também é muito provável que foi infetada há mais de 10 dias por causa do valor positivo do IgG. Se fosse IgM positivo e IgG negativo sugeriria infeção mais recente (pois o IgM aparece antes do IgG) e uma varga viral maior (curva a amarelo designada título viral na figura em anexo) e maior risco de contágiar outras pessoas! Ver figura em: https://www.grupobrmed.com.br/img/covid19/grafico.png

  4. Queira ler o que diz o site https://www.analysislaboratorio.com.br/anticorpos-contra-coronavirus/. Colocamos apenas este trecho. E se pesquisar vai ver que, para uma pessoa apresentar anticorpos, tem de estar infectada. Resta saber quando entrou em contacto com o vírus.

    Como o organismo só começa a produzir anticorpos após a infecção já estar instalada, os anticorpos da classe IgM, de fase aguda de infecção, possuem maior sensibilidade após o 7º dia de início dos sintomas”

  5. pq não fizeram o teste antes de ser evacuada como manda o Protocolo da saude e pq o HBS não verificou o cumprimento.
    As dois instituições estão a descumprir as regulações do levantamento do E.E ,exigidos a todos os passageiros quanto mas doentes .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo