AtualidadeEscolha do Editor

Covid-19: PM anuncia contratação de mais enfermeiros para aliviar estruturas de Saúde

O Governo vai recrutar mais pessoal de saúde, sobretudo enfermeiros, para aliviar a pressão sobre o sistema de saúde, anunciou esta manhã o Primeiro-ministro, na comunicação conjunta com o Presidente da República ao país. Segundo Ulisses Correia e Silva, os hospitais e centros de Saúde do país vão ser reforçados com mais pessoal, nomeadamente enfermeiros, para responder a demanda, e voltou a insistir na necessidade vacinar e a proteger se poder dar um bom combate ao vírus da Covid-19. “Quanto mais pessoas estiverem vacinadas, mas protegidos estaremos todos”, frisou. 

De acordo com o Chefe do Executivo, durante os cerca de dois anos de pandemia, Cabo Verde e o mundo têm sido colocados perante os maiores desafios de sobreviver, superar, recuperar, relançar a economia e a vida social, em contexto de crise sanitária, econômica e social. E, felizmente, um bom combate tem sido travado a nível da protecção da saúde, do emprego e do rendimento através de medidas implementadas pelo Governo desde a primeira hora. Mas este é o momento de reconhecer. 

“É o momento de reconhecer mais uma vez o incansável trabalho dos profissionais de saúde, expostos a riscos, mas com muita determinação, dedicação e resultados. Também temos de reconhecer os integrantes da Protecção Civil, Câmaras Municipais, ongs, igrejas e os órgãos de comunicação social pelo trabalho realizado e que continua a realizar na prevenção e resposta a crise pandêmica. Reconhecer as empresas que não desistiram de lutar e mantiveram os postos de trabalho, as nossas comunidades emigradas que se mostraram solidárias, aumentando as remessa em período difícil em Cabo Verde, mas também nos países onde residem”, afirmou.

Ulisses Correia e Silva destacou ainda o papel dos parceiros internacional de Cabo Verde pela disponibilização de vacinas, mas também de materiais e recursos humanos, nomeadamente médicos e enfermeiros. E deixou uma palavra de apresso aos que perderem familiares e amigos nesta luta difícil em que a Covid ataca de forma indiscriminada. “Mas é também o momento de solicitar e desejar que continuemos a travar um bom combate porque a pandemia ainda não terminou. O coronavírus circula e continua a infectar. A variante Omicron tem demonstrado um nível de agressividade muito grande. Em Cabo Verde e no resto do mundo o número de casos têm aumentado e nos temos de continuar este combate”, apelou.

Sobre este particular, o PM não tem dúvidas que a melhor resposta é a vacinação e, felizmente, o país tem registado bons níveis de vacinação, mas adverte que é preciso vacinar mais, é preciso que todas as pessoas com idade igual ou superior a 12 anos tomem uma posição mais acertada e que continuem a vacinar e a proteger. Apelou igualmente ao uso continuo de mascaras que, apesar de desconfortáveis, protegem “Continuemos a lavar as mãos com frequência e evitar as ajuntamentos. A vacinação massificada e a proteção individual são as melhores armas no combate a Covid. Está ao alcance de cada um. Muita coisa está em causa com esta crise pandémica: a vida, a saude, a economia, o emprego, o rendimento e a vida social. Temos por isso todas as razões para cerrar fileiras e fazer aquilo que é preciso fazer. Em nome de cada cabo-verdiano, cada cabo-verdiana e do país, temos de vacinar e proteger”, insistiu. 

Para Correia e Silva, é hora de juntar esforços na mobilização social para a vacinação. Mas mostra-se confiante e acredita que será possível superar as dificuldades, recuperar e relançar a vida normal porque “Cabo Verde é um país resiliente”. Termina augurando um 2022 de recuperação e de relançamento da vida económica e social, de reforço, de compromisso e de solidariedade, realçando que preservar a saúde e garantir a segurança sanitária continuarão a ser prioridades do Governo. 

Esta intervenção do Primeiro-ministro, refira-se, foi antecedida de uma analise da situação da evolução da pandemia em Cabo Verde, feita pelo Director Nacional da Saúde, Jorge Barreto, numa altura em que o país contabiliza 5568 casos activos, 354 óbitos associados a Covid-19, 18 por outras causas e 9 transferidos, perfazendo um total acumulado de 44592 positivos já confirmados. Destes, 38643 foram considerados recuperados.

Foto: Inforpress

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo