Economia

Fim de contencioso: Empresas públicas compram participação da PT Ventures na CVT

A assinatura esta terça-feira, 21, nas instalações do Ministério das Finanças na Praia de um acordo entre o Estado e a PT Ventures sobre a Cabo Verde Telecom colocou um ponto final ao contencioso que se arrasta desde 2014, quando o então Governo do PAICV denunciou, unilateralmente, o acordo parassocial, que permitia a esta sociedade gestora de participações deter a maior das acções da maior operadora de telecomunicações nacional. O acordo prevê a compra da participação da PT Ventura SGPS na CVT pelo Instituto Nacional de Previdência Social (57,9%), Aeroportos e Segurança Aérea (20), Estado de Cabo Verde (3,4%), Correios de Cabo Verde (0,7%). Os restantes 18% ficam para os privados nacionais, contra a desistência das acções judiciais nas instâncias internacionais, sem qualquer indemnização.

Esta briga de gigantes, que se arrasta a cinco anos, resultou da denuncia por parte do anterior Executivo do Acordo Parassocial com esta empresa, que motivou duas acções de arbitragem, uma no Tribunal de Arbitragem Internacional de Paris e outra no International Center for Settlement of Investment Disputes em Washington. Começou quando Cabo Verde suspendeu, unilateralmente, o Acordo Parassocial assinado em março de 2000 com a empresa PT Ventures. As duas partes dizem estar convictas da consistência das suas posições jurídicas, mas entendem que é preferível resolver os diferendos através de um acordo, mediante a cessão a um terceiro das acções detidas pela PT Ventures na CVTelecom.

Para resolver a situação, diz o Governo em comunicado, procurou, sem sucesso, investidores privados em Cabo Verde, em Portugal, em Espanha, no Senegal, em Angola, na Africa do Sul e na Nigéria, para assumir a posição da PT Ventures na CVTelecom. Este realça ainda que o risco do Estado de Cabo Verde nos dois tribunais arbitrais é de 120 milhões de dólares, ou seja, cerca de 12 milhões de contos, sem contar com o custo da perda de controlo da CVTelecom. Isso sem contar o risco de desgaste da reputação e imagem dos Estado resultando do diferendo com um investidor.

Daí a relevância deste acordo, que consiste na compra da participação da PT Ventures SGPS na CV Telecom contra a desistência das acções em Tribunal, sem qualquer indemnização. Diz ainda o Executivo que a intermediação da compra foi concretizada pela Caixa Económica e que o preço foi enquadrado por avaliações feitas por entidades idóneas e com comprovada capacidade à pedido do Estado, no quadro dos esforços empreendidos com vista a encontrar investidores para comprar os 40% de capital pertencentes a PT Ventures. “Considerando os riscos financeiros e reputacional, a solução encontrada foi a melhor possível para pôr fim a um contencioso que dura desde 2014, portanto há mais de 4 anos”, lê-se no documento.

Lembra o Governo que a CVT já foi uma das empresas mais rentáveis de Cabo Verde e voltará a ser, tendo em conta a perspetiva da renovação da concessão. O Governo realça, por outro lado, que a solução encontrada é transitória, pois aposta no sector privado como principal motor da economia, pelo que espera poder vender as participações a um parceiro tecnológico com comprovada experiência e um plano de negócios para o crescimento da empresa e para alavancar a sua contribuição para a modernização e o desenvolvimento do sector. Em alternativa, poderá, no entanto, vender as acções através da Bolsa de Valores.

Pub.

Constânça de Pina

Mostrar mais

Constanca Pina

Formada em jornalismo pela Universidade Federal Fluminense (UFF-RJ). Trabalhou como jornalista no semanário A Semana de 1997 a 2016. Sócia-fundadora do Mindel Insite, desempenha as funções de Chefe de Redaça6o e jornalista/repórter. Paralelamente, leccionou na Universidade Lusófona de Cabo Verde de 2013 a 2020, disciplinas de Jornalismo Económico, Jornalismo Investigativo e Redação Jornalística.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo