Atualidade

Vento arrasta navios de pesca industrial chineses para Lazareto

O forte vento que se faz sentir em São Vicente arrastou dois navios de pesca industrial chineses para a zona do Lazareto. Um terceiro, que também estava a ser levado na mesma direcção, conseguiu se segurar. As autoridades marítimas, designadamente a Capitania dos Portos, já estão no terreno.

O mar agitado, aliado ao forte vento que se faz sentir desde o início da tarde, alteraram a rotina na Baía do Porto Grande e obrigaram as autoridades marítimas a estarem de prontidão para tentar evitar acidentes. Mesmo assim, essa prevenção não impediu que pelo menos duas embarcações de pesca industrial chineses fossem arrastadas pela correnteza para o Lazareto.

Foto: Albertino Martins (Facebook)

 Um terceiro navio começou a ser levado, mas conseguiu recuar. Foi impossível falar com o Capitão dos Portos de Barlavento. Entretanto, junto do Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica, ficamos a saber que se trata de uma situação normal de vento, que começou esta tarde e que se prolonga noite a dentro, de acordo com o meteorologista José Almeida.  

“O vento está a soprar entre os 20 e os 30 nós, 50 a 60 quilómetros por hora”, refere, realçando que esta situação se verifica apenas nas ilhas de São Vicente e São Nicolau.

O estado do tempo demanda uma atenção especial das autoridades marítimas em São Vicente devido a quantidade de navios atracados e fundeados na baía do Porto Grande.

Constânça de Pina

Mostrar mais

Artigos relacionados

6 Comentários

  1. O vento em S.Vicente serve só para duas coisas:
    1ª) Para arrastar navios, mas neste caso, com a colaboração da displicência das autoridaes que não legislam para a prevenção e punição, principalmente em relação aos barcos irresponsavelmente abandonadios à sua sorte nesta Baía.
    2ª) Como justificação das equipas que quando vêm jogar a S.Vicente, dizem ter de enfrentar dificuldades por causa do vento (mesmo quando na maioria das vezes nem há vento).
    Mas, esse mesmo vento tão conhecido e famoso, não é suficiente para as autoridades nacionais olharem para S.Vicente como uma ilha importante para a implementação e desenvolvimento de importantes projectos relacionados com a exploração da energia eólica.
    As experimentações vão todas para outras ilhas.
    Será que somos todos zarolhos??

  2. Como é que com tanto vento, os Pilotos não são informados da inconveniência em toda a gente abandonar os navios.
    Com vento e sem ninguém para comandar é no que dá.
    Esta história se repete há séculos e as autoridades continuam a dormir.
    O Imediato ou o comandante (ou algém responsável), deveriam estar dentro do barco.

  3. As autoridades, o que precisam, é criar condições para implementarem a lei existente.
    Para quem vive o dia a dia aqui na ilha, sabe que há duas épocas de vento em S.Vicente:
    Época de Páscoa e época das festas de romaria.
    Há anos em que acontece uma mudança.
    Por exemplo este ano, na época de Sanjom não houve vento como habitualmente. E esse vento veio acontecer agora.
    Então as autoridades não conseguem mapear tudo isso?
    E com base nesse mapeamento preventivo, lançar avisos?
    Há muitos anos que os navios abandonados continuam estacionados nesta baía, só à espera dum vento qualquer para irem para à Galé ou no Lazareto.
    Para além das tantas promessas que já foram feitas nesse sentido, quando pensam efectivamente retirar esse navios abandonados dessa Baía?

  4. ah ah ah deixem toda a frota chinesa afundar nessa baía!

    são uns PREDADORES!!!

    é o karma que estão a pagar por dizimar os tubarões do nosso mar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo